Noite de saudade


A Noite vem poisando devagar
Sobre a Terra, que inunda de amargura...
E nem sequer a bênção do luar
A quis tornar divinamente pura...

Ninguém vem atrás dela a acompanhar
A sua dor que é cheia de tortura...
E eu oiço a Noite imensa soluçar!
E eu oiço soluçar a Noite escura!

Por que és assim tão escura, assim tão triste?!
É que, talvez, ó Noite, em ti existe
Uma Saudade igual à que eu contenho!

Saudade que eu sei donde me vem...
Talvez de ti, ó Noite!... Ou de ninguém!...
Que eu nunca sei quem sou, nem o que tenho!!


Florbela Espanca

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

5 comentários:

Tite disse...

É só um soneto da Florbela ou é a continuação de problemas existenciais?

Beijosssss

Dina disse...

É só um soneto...

Belisa disse...

Olá :)

ó soneto ainda bem...
A vida tem alegria!
Por vezes quem a não tem
Passa ao lado e não via...

beijos ***

tinta permanente disse...

Dorida no coração e sofrida na Vida, Florbela achou nas palavras os gritos-mudos da sua alma...
'Passo triste na vida e triste sou,
um pobre a quem jamais quiserem bem!
Um caminhante exausto que passou,
que não diz onde vai nem donde vem.'



abraços
www.tintapermanente.com

fj disse...

ainda bem q é só um soneto...pronto!
ja dei a minha visita...
Gostei!